O Blogue vai fechar brevemente


Caros amigos, tudo o que existe se transforma, deixando assim de existir na forma que conhecíamos e a que estávamos habituados. Isso acontece com tudo o que conhecemos - também com este blogue.

Criei inicialmente este blogue, para poder escrever e publicar textos e artigos, uns criados por mim - expondo assim o que penso sobre a temática - outros criados por outrem. A ideia era ter esses textos reunidos num só local, acessível, para eu e alguns amigos podermos ler.

Chegou a hora; após mais de 150 artigos e 10 anos depois, informo que brevemente este blogue será eliminado. Apenas o tempo necessário para "salvar" alguns textos os quais são "parte de mim".

Foi muito bom partilhar convosco estas "Ideias, Pensamentos e Observações". Ler comentários, mails e até conversar com algumas pessoas que conheci através deste blogue, foi muito enriquecedor.

Até sempre,
namastê,
Joaquim Coelho


DIFERENÇA ENTRE O EU E OS EUS

  DIFERENÇA  ENTRE  O  “EU”  E  OS  “EUS”

Todas  as  pessoas  usam  e  abusam  do pronome pessoal  “eu”.  Assim, costuma-se  dizer:  “eu  gosto”, “eu estou  com  fome”, “eu estou com sono”, “eu estou doente”, etc. Ao proceder e pensar assim, a pessoa está a fraccionar-se em inúmeros “eus”, pois ora se manifesta um “eu”, a seguir outro “eu” e depois outro sempre numa sucessão ininterrupta.

O grande filósofo e psicólogo russo Piotr Demianovitch Ouspensky (1878-1947), assim se expressou sobre o assunto: 

   “Num momento em que digo “eu”, uma parte de mim está a falar, e noutro momento, quando volto a dizê-lo, é outro “eu” diferente que está a falar. Não sabemos se temos só um “Eu”,  porque  manifestam-se  muitos  e  diferentes  “eus”  ligados  aos  nossos  sentimentos  e desejos,  sem  que  nenhum  “Eu”  os comande.  Esses  “eus”  mudam  continuamente,  pois  um elimina o outro, o outro substitui um, e toda essa luta constitui a nossa vida interior. Os “eus” que vemos em nós dividem-se em vários grupos, e alguns legítimos fazem parte das divisões correctas  do  Homem,  enquanto  outros  são  completamente  artificiais criados  pelo conhecimento insuficiente e por certas ideias imaginárias que o Homem tem de si mesmo.” 

FUNÇÃO INSTINTIVA E FUNÇÃO MOTORA 
  Para  se  distinguir  o  verdadeiro  Eu  Superior  dos  inúmeros  “eus”  torna-se  necessário passar a observar os subtis processos psicológicos que animam o nosso mundo interior. Segundo os  Mestres  de Sabedoria,  o  método  mais  prático  de  se  penetrar  e  ajustar  o  nosso  mundo subjectivo  interior  é  o da  Meditação  Iniciática,  cuja  prática  é  aliás  aconselhada  por  todas  as Escolas  Iniciáticas.  Essa análise  consiste  em  perceber  os  diversos  segmentos  das  funções psicomentais. Basicamente, a nossa mente vibra sempre em função do intelecto ou animada por qualquer emoção ou sentimento. Essa polaridade está presente em todos os seres humanos. Saber distinguir entre uma coisa e outra, já é sinal de um certo avanço na Senda do Discipulado. 

  O intelecto é o responsável pela análise das questões, e por isso pensamos, comparamos, analisamos,  procuramos  explicações,  queremos  compreender  as  coisas  e  solucionar  os problemas. Tudo isso é função da Mente Concreta ou o intelecto. No outro segmento do nosso mundo  interno  temos  as  emoções e  sentimentos,  que  não  devem  ser  confundidas  com  as actividades  mentais.  As  emoções caracterizam-se  pelos  sentimentos,  tais  como  amor,  ódio, vingança,  medo,  insegurança,  etc.,  que nada  têm  a  ver  com  o  raciocínio  frio  do  pensamento intelectual. Para quem não está acostumado à análise pessoal, é comum confundir as actividades mentais  com  as  emoções.  Infelizmente,  grande  parte da  Humanidade  ainda  se  encontra  nesse estágio  evolutivo,  resultando  daí  os  desequilíbrios psicomentais  que  assolam  as  pessoas causando infelicidade e mesmo sérias doenças de cunho neurológico. 
Ocorreu um erro neste dispositivo