Sociedades Secretas - Templários XIII de XX


A HISTÓRIA OCULTA DE JESUS E A LINHAGEM SAGRADA

Os antigos líderes cristãos da Igreja, adotaram as escrituras e os ensinos que obscureceriam a verdade sobre a linhagem real de Jesus.

Sabe-se que Maria Madalena estava grávida de 3 meses quando Jesus foi crucificado, consequentemente seu filho deve Ter nascido em setembro.

Nessa época, os casamentos dinásticos deveriam ser consumados em dezembro, pois setembro era um mês sagrado para os judeus e os filhos deveriam nascer nessa época.

Certamente era esta linha que os próprios pais de Jesus (José e Maria),
eles mesmos tinham quebrado (Jesus nasceu em 6 de janeiro) e esta
foi a razão porque os judeus ficaram divididos a respeito, se
Jesus era, de fato, seu Messias verdadeiro. Quando uma criança
considerada dinástica era concebida na época errada do ano, a
mãe era colocada geralmente sob custódia monástica para evitar
o embaraçamento público e Mateus indica claramente que quando
Maria ficou grávida, José, seu marido, sendo um homem justo e
não querendo fazer-lhe um constrangimento público, ocupou-se
em afastá-la. (Mateus 1:18,19).

Neste exemplo, a dispensa especial para o nascimento foi
concedido pelo arcanjo Simão , que nesse tempo foi distinguido
com o nome de "Gabriel" , sendo o prior angélico no cargo. Os
Manuscritos do Mar Morto e o Livro de Enouch (que foram
excluídos do VT) detalham que arcanjos ou embaixadores
principais eram os grão-mestres senior em Qurãn, retendo os
títulos tradicionais de "Miguel , Rafael e Gabriel".

"trechos extraídos do livro de Laurence Gardner e Bloodline do
Grail Holy e Messianic Bloodline".
Investiga-se a genealogia de Jesus até os nossos tempos.
Também compara o NT com os arquivos romanos e judaicos. Nessa
consideração, ele detalha como a igreja corrompeu e manipulou
os registros para servir suas próprias agendas políticas.
Apesar da doutrina católica informar que Jesus era filho de
uma virgem e filho de Deus, (veja o site Rennés Le Chateau)
definições que não caracterizou nos textos originais
pré-romanos no NT, Lucas e Mateus enfatiza a linhagem e
descendência de Jesus , de Davi , de Israel e dos reis de
Judah.

A Palestina pertencia ao império romano e César tinha em seu
comando , Heródes, que por sua vez dominava o local , porém
obedecia a César.

Um rei descendente dos reis de Israel e Judah , poderia ser
mantido em sigilo pela Ordem de Melquideseque que mesmo Abraão
pertencia. E sempre segundo as linhagens , pois também Salomão
pertencia para que, numa época propicia , ele pudesse reinar.
Seria um expectativa não muito delirante, considerando que o
povo aspirava por um rei sacerdote.

A bíblia explica que a história da linhagem começou com Adão e
Eva, cujo filho Seth evoluiu numa linha que gerou Matusalém e
Noé , Abraão que se transformou no patriarca da nação hebréia
e que levou sua família do Oeste da Menopotâmia (hoje Iraque)
até a terra de Canaã (Palestina). De onde alguns de seus
descendentes foram levados para o Egito. Após algumas gerações
retornaram além Jordão, conduzidos por Moisés e através do
tempo , Davi (de Belém) assentou seu reino onde hoje é Israel.

Sabemos que Davi pertence a tribo de Judah e que antes dele
era Saul, da tribo dos Benjamitas, que era o rei. Davi usurpou
o trono Benjamita (o que fez graves discórdias até os dias de
hoje).

Visto conforme está apresentado nas escrituras este relato é
uma saga fascinante , mas não há nada em qualquer lugar que
indique porque a linha ancestral de Davi e seus descendentes
seriam tão especial. O fato é o inverso. Seus antepassados
viviam vagueando por territórios sem nenhum significado
particular até a época do rei Davi. O relato bíblico não
carrega nenhuma comparação, por exemplo dos Faraós
contemporâneos do Egito antigo. Seu significado vem do fato
que , na época de Abraão , foram designados como "povo
escolhido por Deus" porém , não há relatos desse povo Ter
algum brilhantismo; pelo contrário , fome, guerra, escravidão,
sucessivamente.

Mediante isso , L. Gardner coloca duas possibilidades: ou Davi
não era desta sucessão de Abraão ou nos apresentaram uma
versão muito corrompida da história Hebréia. Uma versão que
fosse projetada especificamente para a fé Judáica emergente.
Os Evangelhos foram compilados 400 d.C. pelos bispos para
suportar a opinião cristã e adaptá-la à Roma.
E se os escritores Judeus fizeram previamente exatamente a
mesma coisa?

Procurando sistematicamente no VT os mais antigos relatos a
fim de encontrar todas as anomalias. O problema era que, eles
mesmo foram escritos nos primeiros século a.C. (vide site
Manuscritos do Mar Morto) assim, não era provável ser
autêntico em seu dizer, da história milhares de anos antes. E
, foram escritos com a finalidade expressa de orientar-se com
os princípios da fé judaica.


Continua...

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo