Sociedades Secretas - Templários VI de XX


PRINCÍPIOS HISTÓRICOS

Os cavaleiros hospitalares pertencem à uma Ordem cuja poderosa documentação os torna oficiais, legais até aos dias de hoje.

Seus tradicionais rivais foram os Cavaleiros Templários.

Sua estrutura básica é bastante parecida com a dos Templários,
porém com maior enfoque na saúde e na medicina.

A Ordem de Saint John, originou-se com o hospital dedicado a
São João em Jerusalém, aproximadamente em 1070, trinta anos antes da primeira cruzada, por um grupo de comerciantes italianos que queriam cuidar dos peregrinos.

Foi constituída como uma Ordem aproximadamente em 1100, logo
após a primeira cruzada , quando assumiu seu primeiro
grão-mestre principal ( seu autor não cita o nome).

Por volta de 1126 porém, aproximadamente 8 anos depois dos
Templários, publicamente, apareceram como "Os Cavaleiros de
Saint John", começando a assumir um caráter crescentemente
militar, que ficaria, com o tempo, mais proeminente que o
próprio serviço de hospital para o qual tinham sido instituídos.

O autor cita aqui que em sua opinião, os Hospitalários podem
Ter sido obrigados a adotar o braço combatente, por que os
Templários não estavam fazendo o trabalho a eles destinados,
dedicando-se a percorrer a Terra Santa, em busca de relíquias
Santas, em vez de proteger os peregrinos.

Os Hospitalários, juntos com os Templários e Teutônicos,
tornaram-se o exército principal e o poder financeiro da Terra
Santa. Este poder expandiu-se ao longo do mediterrâneo.
Como os Templários, eles ficaram imensamente ricos. A Ordem
desenvolveu-se em um exército vasto, organização eclesiástica
e administrativa com centenas de cavaleiros, um exército
parado, numerosos serviços secundários, uma cadeia de
fortalezas e propriedades enormes de terras pelo mundo
Cristão.

A ordem permaneceu verdadeira às suas origens e mantém até os
dias atuais, hospitais atendidos por seus próprios cirurgiões
e demais funcionários.

Em 1307, quando os Templários foram acusados de uma série de
ofensas contra a ortodoxia católica, os Hospitalários conseguiram
ficar imunes de qualquer estigma. Eles retiveram o favor do papado.
Na Inglaterra e em outros lugares, ex-propriedades dos
Templários foram devolvidas - impulsionando ainda mais suas riquezas.

Depois de 1291, os Cavaleiros de São João retiraram-se para Chipre.
Em 1309 eles estabeleceram sua sede na Ilha de Rhodes que
governaram como o principado privado. Eles ali permaneceram
durante dois séculos e resistiram a dois ataques dos turcos.
Em 1522, um terceiro ataque os forçou a abandonar a ilha e em
1530 eles novamente estabeleceram-se em Malta.

Em 1565, Malta foi sitiada pelos turcos em uma tentativa
ambiciosa para conquistar o Mediterrâneo. Em uma defesa épica,
541 cavaleiros Hospitalários e sargentos junto com 1500
soldados a pé e mercenários repeliram os repetidos ataques de
30000 inimigos.

A derrota histórica infligida aos turcos, destruiu seus planos
de invasão. Seis anos depois, em 1571, a Frota da Ordem, junto
com navios de guerra da Áustria, Itália e Espanha, ganharam
batalha naval de Levanto e quebraram o poder marítimo turco.
A frota dos Hospitalários foi premiada com créditos pelos afundamentos.

No décimo sexto século eles eram ainda um exército supremo com
poderes navais considerável no mundo Cristão, contando com
força e recursos financeiros comparável à maioria das nações.
Mas a reforma protestante tinha começado a quebrar a força na
Europa Católica, e a própria Ordem viu-se fendida com novas
convicções.

A Europa passou para uma idade nova de tolerância religiosa e
mercantilismo. Os cavaleiros ainda estavam em Malta em 1798,
entretanto a Ordem havia transformado-se em apenas uma
sombra do que eles eram.
A Freemason tinha corroído as suas submissões católicas
e quando Napoleão invadiu a ilha a caminho do Egito, os
cavaleiros não ofereceram nenhuma resistência.

Quando Horatio Nelson recapturou as ilhas, os cavaleiros
puderam ali restabelecer uma presença não oficial.
Em 1834, uma base oficial era estabelecida em Roma.
Uma vez mais dedicados ao hospital e ao trabalho, junto à
saúde, os cavaleiros mantém sua fortaleza em Malta mas, não
têm nenhum poder de governo. De maneira muito interessante,
foi considerado seriamente a possibilidade de entregar Israel
para os Hospitalários depois da Segunda Guerra Mundial.

Do ponto de vista de direitos internacionais, os Cavaleiros de
Malta são encarados como um principado soberano independente,
com a opção de um assento nas Nações Unidas (o qual eles nunca ocuparam)
Podem ser identificadas embaixadas na África e países
americanos latinos com plenos privilégios diplomáticos.

Continua...

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo