Sobre o Despertar


Sobre o Despertar

Espiritualidade significa despertar. A maioria das pessoas está a dormir, mas não sabe. Nasce a dormir, vive a dormir, casa a dormir, tem filhos a dormir, morre a dormir, sem nunca despertar.

Nunca compreenderão o encanto e a beleza daquilo a que chamamos de existência humana.

Todos os místicos, católicos, cristãos, não cristãos, qualquer que seja a sua teologia, independentemente de sua religião – afirmam uma coisa unânime:

está tudo bem. Ainda que tudo esteja um desastre, tudo está bem.

Isto é sem dúvida um estranho paradoxo, mas o trágico é que a maioria das pessoas nunca chega a dar-se conta de que tudo está bem, porque está a dormir.

Vivem um pesadelo.

Há uma história de um pai que chega à porta do quarto do seu filho e diz:
- Jaime, desperta!
O Jaime responde: - Não me quero levantar pai.
O pai grita: - Levanta-te, tens que ir à escola.
- Não quero ir à escola.
- Por que não?
- Por três motivos: O primeiro, porque é aborrecido; o segundo, porque os meninos gozam comigo; e, o terceiro, porque odeio a escola.
- Bem, vou dar-te três razões pelas quais DEVES ir à escola – replica o pai: a primeira é porque é o teu dever; a segunda, porque tens quarenta e cinco anos e a terceira, porque és o director.

Desperta, desperta! Já estás crescido. Estás demasiado grande para estares a dormir. Desperta! Deixa os teus brinquedos de lado.

A maioria das pessoas diz querer abandonar o jardim da infância, mas não os creia. Não os creia! A única coisa que querem é remendar os seus brinquedos rotos. “Devolva-me a minha esposa. Devolva-me o meu emprego. Devolva-me meu dinheiro. Devolva-me minha fama e êxito”. Isso é o que querem; querem mudar de brinquedos. Isso é tudo. Até o melhor psicólogo dirá que esta gente não se quer curar. O que querem é um alívio; a cura é dolorosa.

Despertar é desagradável, tu o sabes. Estás prazerosa e confortavelmente encostado. É irritante que te despertem. Essa é a razão porque um sábio não nos tentará despertar.

Vou ser sábio agora e de nenhuma maneira tentarei despertar-te, se estiveres a dormir. Realmente, não é assunto meu, ainda que às vezes diga: Desperta!

A mim é conveniente fazer a minha parte, dançar a minha própria dança. Se a aproveitas, magnífico! Senão, que lástima!

Como dizem os árabes:
“A natureza da chuva é a mesma, todavia faz com que cresçam espinhos nos pântanos e flores nos jardins”.

5 comentários:

Giu disse...

Uma boa reflexão e um acerto no dizer da chuva, que traz espinhos e flores, de acordo com a terra que cultivamos.
Um sorriso para ti, também.
Giulia

Anónimo disse...

"Os grandes navegadores devem sua reputação aos temporais e às tempestades."

Viscondi disse...

Olá jc. Obrigado pela visita e pelas palavras gentís. Volte sempre, será um prazer.
Seu espaço também é muito legal. Gostei dos seus textos, são fluídos e bem delineados. Parabéns.
Deixo aqui um pequeno pensamento acerca deste seu texto:
"quem corre atrás de seus sonhos é... sonâmbulo".
um abraço.

Anónimo disse...

Olá j.c. gostei do que vi e li parece que voltarei aqui mais vezes
obrigado pelos esclarecimentos e orientações...
aproveito para deixar também uma pequena frase para reflectir.

Não abandones nunca os teus sonhos e ilusões.
Sem eles podes continuar a existir, mas deixas de viver.

Rui s.

J.C. disse...

namastê Rui S.
obrigado pelo comentário, volte sim, será sempre benvindo.

Ocorreu um erro neste dispositivo